Valmir ou sobre como envelhecemos [julio wong un]

Para o amigo Ernande, 
que a cada dia diz mais na escrita. 



É um presente da vida ser servido pelo Valmir. Faz dez anos. Aqui no Caçador, restaurante perto de casa que não gosto mais. Frequento por obrigação, cansaço. Ou quando vejo o Valmir, pequenino, cabelo branco, cansado e sério. Dai me animo e sento numa das mesas desse lugar barulhento e peço um chopp - hoje aguado - e qualquer petisco, um brotinho de pizza talvez.

Hoje senti ele mais cansado, mais magro, mais sombra. Dei um tapinha no ombro: e ai Valmir? emagreceu? ele me olhou cansado mas sorriu. Não, disse. É a vida.

É Valmir, envelhecemos juntos.

E deu vontade de abraçar esse senhor que em poucos anos aposentará ou partirá para novos rumos e destinos e sempre foi bondoso, discreto, amável.


[JWU publica no RB10 às 2as]


Comentários

As mais vistas