MARCHA - FRAGMENTOS DE MEMÓRIAS VERDE OLIVA

Imagem capturada na internet, 2017.

Ernande Valentin do Prado
Durante o período obrigatório eram realizadas marchas: 6, 12, 16, 32 quilômetros. Nestas marchas éramos obrigados a usar todos os equipamentos usados em combate, conforme nosso esquadrão. No meu caso, tinha que carregar a placa do morteiro, mochila com manta, capa de chuva, cantil com água, que deveria ir na cinta, mas era muito incomodo e todo soldado safo carregava na mochila. Também carregada uma pistola 9mm. Eu levava vantagem, em relação aos demais soldados, embora carregar a placa do morteiro fosse bem desagradável.
Na reta final da marcha de 18 KM, por algum motivo que não me recordo, o Aspirante a tenente se irritou com De Piere, o responsável pelo rádio, um instrumento pesado e desajeitado. Ele começou a fazer o soldado carregar os fuzis de outros soldados, além do rádio e sua mochila. Ele já estava com três fuzis e o aspirante continua lhe dando mais coisas para carregar.
Em determinado momento achei aquilo absurdo demais e me ofereci para ajuda o soldado, que era um tanto desajeitado, mas leal, confiável, incapaz de fazer maldades com outros.
- Tenente, sou voluntário para ajudar De Piere.
- Prado, não se mete. Cuide de sua vida.
Disse isso e continuou em direção a retaguarda do pelotão. Continuamos marchando. Eu Cada vez mais indignado com aquela atitude, com a injustiça Praticada com o colega de farda.
Vez ou outra ele voltava e perguntava para De Piere:
- Tá pesado, De Piere?
Não importava a resposta, ele sempre arrumava mais alguma coisa para o soldado carregar.
- Prado, passe sua placa para o De Piere carregar. Disse o aspirante.
- Ele já está com coisas demais, não tem como carregar mais nada. Disse eu. Mas o oficial pegou a placa de minha mão e entregou ao soldado.

Subiu o sangue em minha cabeça, tentei reagir, mas o próprio De Piere disse para eu deixar para lá. Acho que deixei, pois não lembro o que aconteceu depois.


[Ernande Valentin do Pradinho publica na Rua Balsa das 10 às 6tas-feiras]


Outras partes já publicadas de Fragmentos de Memórias Verde Oliva:

1.    O INTERROGATÓRIO 
2.    O SEGUNDO DIA
4.    A GUARDA

Comentários

As mais vistas